Cegadas

 

As cegadas ou brincadeiras, tal como as “pulhas” ou os “testamentos” são uma das muitas formas de manifestação de crítica social, que revelam o sentido satírico e humorístico do nosso povo, num cenário de celebrações cíclicas, bem característico entre nós – O Carnaval.

Com tradições no sul do País, como refere Ernesto Veiga de Oliveira “No Sul de um modo geral temos notícia, em relação a vários lugares – Sesimbra, Ourique, Odmira, etc – das “paródias” ou “cegadas” de Carnaval, que por vezes figuram acontecimentos cómicos ocorridos a alguém durante o ano, e servem de pretexto para os participantes proclamarem a respeito de todas as pessoas aquilo qua não se quer que se diga, “as cegadas de Sesimbra, cujas origens se perdem na memória dos habitantes mais idosos da vila, são ainda hoje motivode convívio e de festa da populaão rural do concelho – “está-nos na massa do sangue” – dizem-nos – “podemos trabalhar no Natal, no Ano Novo, na Páscoa, agora no Carnaval é sagrado”.

As cegadas são tão antigas em Sesimbra, tanto quanto a memória dos vivos permite recordar, havendo mesmo quem admita que as primeiras cegadas se realizaram há mais de cem anos.

Em regra, as cegadas que podem ter um carácter predominantemente dramático ou brejeiro, são feitas por grupos constituídos por quatro, cinco ou seis elementos(todos homens) e duram aproximadamente uma hora.

Os textos, que tanto podem abordar temas locais, como de âmbito mais geral, são encomendados a pessoas de fora que normalmente fazem cegadas ou então são feitos por gente do próprio grupo.

“As cegadas sentimentais – segundo nos diz um cegante – não são próprias para o carnaval. Nesta altura a malta quer rir com as asneirolas e coisas alegres”.